Menu

Artigos e Notícias

Nova lei obriga a realização de exame para diagnóstico de câncer em até 30 dias

Foi sancionada pela Presidência da República e publicada no Diário Oficial da última quinta-feira, 31 de outubro, a Lei nº 13.896, que determina que os exames relacionados ao diagnóstico de câncer sejam realizados no prazo de 30 dias. A nova lei entrará em vigor em seis meses. A proposta será acrescentada na Lei 12.732, de 2012, que já estipula o início do tratamento pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em no máximo 60 dias a partir do diagnóstico da doença.

Recentemente, em uma auditoria realizada junto a diversas agências de saúde pública, o Tribunal de Contas da União (TCU) identificou que a maioria dos pacientes recebe o diagnóstico de câncer quando já se encontra em estágio avançado da doença. Em alguns casos, a demora é de até 200 dias. De acordo com a Dra. Clarissa Mathias, presidente da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC), a agilidade no diagnóstico é muito importante para aumentar o sucesso no tratamento do câncer. “Para uma pessoa com suspeita de câncer, o tempo é um fator primordial. Quanto mais rápido se confirmar o diagnóstico e dar início ao tratamento, maiores são as chances de curar a doença. Além disso, como o tratamento em estágios iniciais é menos custoso, o rápido diagnóstico pode reduzir tanto os gastos diretos quanto os indiretos, ressaltando a prioridade de trabalho dessa frente para a sustentabilidade do cuidado do câncer”, explica a especialista.

A nova lei determina que, nos casos em que a principal hipótese seja a de tumor maligno, os exames necessários para a confirmação da suspeita devem ser realizados em, no máximo, 30 dias. O prazo passa a contar da solicitação de um médico responsável. A lei sancionada é oriunda do Projeto de Lei 275/2015, apresentado pela deputada Carmen Zanotto, aprovado pelo Senado Federal no dia 16 de outubro.

Pedras no caminho

A lei sancionada traz um grande benefício para os pacientes oncológicos e para a oncologia do Brasil, porém, não resolve de imediato os sérios problemas de infraestrutura existentes no SUS para diagnóstico do câncer. O estudo “Câncer no Brasil – A jornada do paciente no sistema de saúde e seus impactos sociais e financeiros”, que teve a avaliação técnica da SBOC e foi lançado na abertura da II Semana Brasileira da Oncologia no fim de outubro, apresenta dados relevantes que demonstram alguns desses problemas.

Um dos dados traz o levantamento do número de mamógrafos em uso no SUS, que mostra que, teoricamente, o país possui equipamentos suficientes para atender às necessidades da população. No entanto, a localização desses aparelhos é concentrada em poucos centros, o que dificulta o acesso ao exame para as pacientes. Além disso, dentre os mamógrafos do SUS já instalados, a produtividade está aquém do esperado, estimada em 29% da capacidade total. Também existem filas de disponibilidade para acesso a exames de ressonância magnética ou tomografia. Uma análise geral da disponibilidade de aparelhos de ultrassom, ressonância magnética e tomografia computadorizada no SUS mostra que, além do déficit de equipamentos, existe uma grande variação por estado no número de aparelhos disponíveis por 100 mil habitantes, com situação mais crítica na região Norte.

O estudo também mostra que o tempo para conseguir realizar o exame de biópsia e obter os resultados dos laudos pode ultrapassar dois meses de espera. Um dos problemas associados a essa questão é a falta de anatomopatologistas, principalmente no Norte e Nordeste do país. O relatório do TCU aponta que os maiores empecilhos para o aumento do número desses médicos são a remuneração pouco atrativa, a falta de valorização da carreira, o baixo investimento no parque tecnológico dos laboratórios de anatomopatologia e as más condições de trabalho.

Entre os dados apresentados na conclusão do trabalho está o de que o diagnóstico tardio foi identificado como uma das principais barreiras enfrentadas pelos pacientes no acesso ao tratamento, seja pela dificuldade de entrada na rede de atenção básica do SUS, pela falta de centros especializados, pelas longas esperas para consultas com médicos especialistas ou pela demora na realização de exames. “Sabemos que, embora esteja em vigor desde 2013, a lei dos 60 dias para início do tratamento ainda não atende todos os pacientes diagnosticados com câncer. Esperamos que não aconteça o mesmo com essa nova lei dos 30 dias para a realização de exames diagnósticos, e que pelo menos algumas dessas questões de infraestrutura sejam tratadas pelo Ministério da Saúde nos próximos seis meses, que é o prazo para a lei entrar em vigor”, conclui Dra. Clarissa.

 

Fonte: Site da Sociedade Brasileira de Oncologia Clinica - acessado em 06/11/2019

https://sboc.org.br/noticias/item/1717-nova-lei-obriga-a-realizacao-de-exame-para-diagnostico-de-cancer-em-ate-30-dias?fbclid=IwAR2SaypzNqe0yRli_UxMDXcYiz2xW0m8dP-JYeeel6WP8Z8Yu7L4b-C9L5Y

O Grupo Diagnose

 

O Grupo Diagnose opera há mais de 45 anos na prevenção do câncer e diagnóstico de doenças não tumorais. Possui Sistema de Gestão da Qualidade e desempenha suas atividades com base nas diretrizes da Organização Nacional de Acreditação (ONA) - Unidades Patologia e Gyn, e NBR ISO9001:2015 - unidade Genética e Biologia Molecular, por prestação de serviços em saúde. Também participa de programas nacionais e trabalha com indicadores e ferramentas da qualidade para apoiar as áreas, com o objetivo de manter a excelência dos serviços prestados. Opera apoiado em alta tecnologia, com rapidez e com a complexidade condizente com os padrões do momento científico.

Inovador, o Grupo Diagnose está técnica e cientificamente preparado para seguir trabalhando pela saúde, com uma ampla equipe de patologistas experientes e em constante atualização, reforçando sempre o Elo entre Médicos e Pacientes.

 

 

 

 

Compartilhe:

Você pode entrar em contato conosco através do formulário abaixo, para tirar dúvidas ou solicitar mais informações a respeito do tema abordado nesse artigo.

Outras Notícias

Todas as Notícias