Menu

Artigos e Notícias

Câncer de Pulmão - Laço do Mês de Novembro

Estimativas da Organização Mundial da Saúde (OMS) mostram que cerca de um milhão e setecentos mil casos novos de câncer de pulmão são diagnosticados anualmente, fazendo com que este tipo de câncer seja um dos tumores malignos mais comuns do mundo.

Embora sendo o segundo mais incidente nos homens (perdendo somente para o câncer da próstata) e quarto nas mulheres (1º. Mama; 2º.Colo do útero e 3º.Colo-reto) o câncer de pulmão é primeiro em mortalidade.

Apesar de ser um tipo frequente de câncer e de causar muitas mortes, o câncer de pulmão é uma doença potencialmente evitável. O hábito de fumar cigarros (consumo de tabaco) está estritamente associado ao desenvolvimento desse câncer e é a causa de cerca de 90% de todos os casos.  No fumo0 existem cerca de 4000 produtos químicos sendo que 60 deles são comprovadamente cancerígenos.

O risco de um fumante desenvolver câncer de pulmão é de cerca de 20 a 60 vezes maior que o risco de um não fumante. Mesmo para o tabagista passivo, o risco é de pelo menos três vezes mais que o de uma pessoa não exposta à fumaça do cigarro. Quanto maior o consumo de tabaco maior será o risco de desenvolver câncer de pulmão. O raciocínio contrário é verdadeiro, as pessoas que param de fumar reduzem consideravelmente o risco de desenvolver câncer.

Largar o cigarro aumenta não apenas o tempo de vida, mas também melhora a qualidade de vida.

Atualmente, a forma mais comum de consumo de tabaco é pelo cigarro, mas qualquer maneira de utilização – cachimbocharutonarguilé, cigarro eletrônico – aumenta o risco de desenvolvimento de todas as doenças relacionadas ao tabaco. O tabagismo está associado a uma forte dependência e deve ser considerado doença. A boa notícia é que atualmente existem várias formas de tratamento destinadas a auxiliar as pessoas a se livrarem do vício, contribuindo assim para uma vida mais saudável e com menores riscos para a saúde.

Os sinais e sintomas decorrentes do câncer de pulmão, em geral, aparecem apenas quando a doença já está avançada e costumam ser inespecíficos (tosse, falta de ar, chiado, dor torácica, pneumonias recorrentes, sangue no catarro) fazendo com que a maioria dos casos sejam identificados em fases avançadas, comprometendo as tentativas de cura da doença.

Existem vários tipos diferentes de câncer de pulmão sendo os carcinomas os mais frequentes, podendo ser divididos em dois grandes grupos:

  • Carcinomas de células não-pequenas: são os mais comuns e constituídos por três subtipos: carcinomas de células escamosas, adenocarcinomas e carcinomas de células grandes.
  • Carcinomas de células pequenas: são mais raros e têm comportamento mais agressivo.

Com a aplicação de técnicas modernas de genética e biologia molecular podemos, também, fazer uma classificação molecular do câncer de pulmão identificando (por meio de exames específicos para este fim) quais tumores tem, características biológicas que permitam o uso de terapias alvo (quimioterapia ou imunoterapia). Exames envolvendo técnicas de biologia molecular e/ou imuno-histoquímica para determinar alterações genéticas em EGFR (receptor de fator de crescimento), ALK (kinase do linfoma anaplásico) e PDL-1 (ligante da morte celular programada) são usados para definir tipos de medicamentos que podem ser utilizados no combate a alguns tipos de câncer de pulmão, com forte associação a uma resposta terapêutica positiva.

DIAGNÓSTICO

O diagnóstico do câncer de pulmão é feito por meio do exame clínico do paciente; exames de imagem (Rx; tomografia, ressonância); pelo exame citopatológico (escarro; lavados brônquicos ou punção) e em material de biópsia (exame anátomo-patológico) obtido por meio de broncoscopias, mediastinoscopias ou biópsias a céu aberto (cirurgia com abertura do tórax). 

TRATAMENTO

O tratamento envolve a ressecção cirúrgica do tumor (quando indicada – nos carcinomas de células pequenas o tratamento preferencial é a quimioterapia), associada a radioterapia e quimioterapia. O tratamento depende do estadiamento da doença, que avalia o estágio de evolução, ou seja, verifica se a doença está restrita ao pulmão ou disseminada por outros órgãos e dos resultados dos exames de genética/biologia molecular e imuno-histoquímica que vão personalizar o tratamento do câncer de pulmão nos pacientes acometidos.

No mês de novembro as atenções estão voltadas à prevenção do câncer de próstata, câncer de estômago e pulmão. Clique aqui e confira as matérias sobre câncer de estômago e câncer de próstata.

Atenção: A informação existente neste conteúdo pretende apoiar e não substituir a consulta médica. Procure sempre uma avaliação pessoal com um médico da sua confiança.

Compartilhe:

Você pode entrar em contato conosco através do formulário abaixo, para tirar dúvidas ou solicitar mais informações a respeito do tema abordado nesse artigo.

Todas as Notícias